Números do PIB do Rio Grande do Sul não refletem a real situação da economia, diz especialista

Os números do Produto Interno Bruto (PIB) no terceiro trimestre divulgados na manhã desta sexta-feira pela Fundação de Economia e Estatística não refletem a real situação da economia gaúcha segundo o professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Marcelo Portugal.

Passados os efeitos positivos da safra de verão, o Estado cresceu 3,6% de julho a setembro de 2013, na comparação com o mesmo trimestre de 2012, bem a frente do país, que avançou 2,2% no mesmo período.

Para Portugal, o dado é distorcido porque a base de análise é muito deprimida.

—Em 2012, o Rio Grande enfrentou uma grande seca, que acarretou em perda de safra. Portanto, é natural que o desempenho de 2013 seja muito melhor que no ano anterior— disse.

Quando avaliado o crescimento do Estado no terceiro trimestre de 2013 em relação aos três meses anteriores, março a junho, o resultado é menos empolgante. Entre julho e setembro, a economia gaúcha recuou 1,6%. Queda mais expressiva do que a percebida no país, que no período encolheu 0,5%.

— Esse número negativo também apresenta distorções. Tivemos uma supersafra no meio do ano. É normal que depois de um trimestre sensacional fique aquela sensação que a economia desempenho ruim nos três meses seguintes. O período não foi ruim. O anterior é que foi extraordinário, fora da curva —afirmou.

O economista projeta um crescimento de 6% para 2013, mais que o dobro do projetado para o país.

— Em 2012, o a economia gaúcha recuou 1,4%. Se o crescimento de 6% em 2013 se confirmar teremos uma média de 2,6% ao ano. Seja olhando para um número que parece muito positivo, ou um número que parece muito negativo, continuamos crescendo em um ritmo moderado, na mesma velocidade do restante do país — concluiu.

Fonte: Zero Zora


Viegas Auditores e Consultores - www.viegasauditores.com.br | Todos os Direitos Reservados © 2017