Impostos oneram veículos em cerca de 40%

A recomposição da alíquota do IPI não era aguardada pelo diretor geral da Norpave (Volkswagen), Elder Massi. Para ele, o governo deveria reduzir o total de impostos incidente sobre a cadeia automotiva, e não aumentá-lo. "Deveria ser revista a questão tributária, é um pleito do setor, existe estudo sobre isso, mas implica em redução de receita para o governo", pondera. Na opinião dele, o mercado sofrerá impacto do aumento do IPI e a "dica" para o consumidor é efetuar a troca do carro até dezembro. "Eu acredito até que vai ter uma corrida às concessionárias", aposta. 
O diretor geral do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos (Sincodiv) do Paraná, Marcos Ramos, vê como muito negativa a notícia da volta do IPI neste momento de reaquecimento do mercado. "A cadeia de impostos hoje representa mais de 40% do preço dos carros (dependendo do modelo). O mercado já tem um problema hoje, não seria o momento de reajustar e, sim, de o governo rever todos os impostos", afirma. Segundo Ramos, ainda não é possível prever o impacto do repasse da alíquota para o consumidor final, mas a medida pode ocasionar fechamento de vagas nas indústrias e nas lojas. (C.F.)

Fonte: Folha Web



Viegas Auditores e Consultores - www.viegasauditores.com.br | Todos os Direitos Reservados © 2017