IGP-M avança 0,30% no segundo decêndio de novembro

No mês anterior, para o mesmo período de coleta, a variação foi de 0,91%



São Paulo - O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) registrou, no segundo decêndio de novembro, alta de 0,30%, de acordo com a Fundação Getulio Vargas.

No mês anterior, para o mesmo período de coleta, a variação foi de 0,91%. O segundo decêndio do IGP-M compreende o intervalo entre os dias 21 do mês anterior e 10 do mês de referência.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) apresentou variação de 0,22%, no segundo decêndio de novembro. No mesmo período do mês anterior, a taxa foi de 1,20%. A taxa de variação dos Bens Finais recuou de 0,97% para -0,13%. A maior contribuição para esta desaceleração teve origem no subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 2,68% para 0,54%.

A taxa de variação do grupo Bens Intermediários passou de 0,85%, em outubro, para -0,09%, em novembro. O destaque coube ao subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa passou de 1,28% para 0,10%.

O índice referente a Matérias-Primas Brutas registrou variação de 0,98%. No mês anterior, a taxa foi de 1,87%. Os itens que mais contribuíram para este movimento foram: minério de ferro (6,77% para 2,64%), bovinos (3,41% para 0,64%) e aves (3,50% para -0,69%). Em sentido oposto, destacam-se: soja (em grão) (0,45% para 1,76%), milho (em grão) (-2,17% para 0,86%) e leite in natura (0,69% para 1,50%).

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,55%, no segundo decêndio de novembro, ante 0,36%, no mesmo período do mês anterior. A principal contribuição para o acréscimo da taxa partiu do grupo Alimentação (0,38% para 0,78%). Nesta classe de despesa, cabe mencionar o item hortaliças e legumes, cuja taxa passou de -8,10% para 2,32%.

Também foram computados acréscimos nas taxas de variação de outras cinco classes de despesa Habitação (0,52% para 0,70%); Transportes (-0,03% para 0,12%); Despesas Diversas (0,12% para 0,75%); Saúde e Cuidados Pessoais (0,39% para 0,54%); e Comunicação (0,32% para 0,66%).

Para estas classes de despesa, vale citar o comportamento dos itens: tarifa de eletricidade residencial (-0,04% para 1,86%), tarifa de ônibus urbano (-0,21% para 0,24%), cigarros (0,00% para 1,05%), medicamentos em geral (0,04% para 0,34%) e mensalidade para TV por assinatura (0,06% para 1,28%), respectivamente.

Em contrapartida, registraram decréscimo em suas taxa de variação os grupos Vestuário (0,91% para 0,43%) e Educação, Leitura e Recreação (0,37% para 0,27%). Na primeira classe, destaca-se o item roupas (0,93% para 0,47%) e na segunda, passagem aérea (5,75% para 1,78%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) apresentou, no segundo decêndio de novembro, variação de 0,27%. No segundo decêndio de outubro, a taxa foi de 0,31%. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,37%. No mês anterior, a taxa foi de 0,64%. O índice que representa o custo da Mão de Obra registrou variação de 0,18%. No mês anterior, este índice não registrou variação.

Fonte: Brasil Econômico



Viegas Auditores e Consultores - www.viegasauditores.com.br | Todos os Direitos Reservados © 2017