Dólar tem 4ª queda seguida e volta a fechar abaixo de R$ 3

Moeda norte-americana caiu 1,45%, a R$ 2,9835 na venda.
Dados sobre emprego nos EUA influenciam investidores.
O dólar fechou em baixa pelo quatro pregão consecutivo nesta sexta-feira (8), voltando a ser negociado abaixo de R$ 3.
A moeda norte-americana recuou 1,45%, a R$ 2,9835 na venda, após subir na máxima da sessão a R$ 3,0445 e, na mínima, cair a R$ 2,9758. Veja cotação.
A última vez que o dólar tinha fechado abaixo de R$ 3 foi no dia 29 de abril, quando terminou a sessão cotado a R$ 2,9574.
Na semana, a queda do dólar ante o real foi de 0,98%.
Dados de emprego nos EUA
No início da manhã, investidores aguardavam dados sobre a criação de postos de trabalho nos Estados Unidos, que podem dar pistas sobre quando haverá aumento de juros no país (o que atrairia mais investimentos nos EUA, impulsionando uma alta do dólar). As informações foram divulgadas mais tarde pelo Departamento do Trabalho do país, que informou que foram criados 223 mil postos de trabalho em abril. A taxa de desemprego, no entanto, permaneceu estável em 5,4%.
Os investidores minimizaram a recuperação da criação de empregos, concentrando-se no aumento menor que o esperado da renda média por hora, que pode ser um sinal de que a inflação ainda não está ganhando ímpeto no país, destaca a Reuters.
Embora a criação de vagas de trabalho tenha ficado praticamente em linha com as expectativas em abril, levando a taxa de desemprego à mínima em quase sete anos, a renda média por hora subiu apenas 0,1%.
Os dados podem abrir espaço para o Federal Reserve, banco central dos EUA, manter os juros quase zerados por mais tempo, enquanto espera para ver sinais mais consistentes de que a inflação está acelerando em direção a sua meta.
O economista da 4Cast Pedro Tuesta ressaltou que o mercado tem dado bastante importância para números relacionados à inflação, mas também lembrou que o Fed observa um conjunto de fatores para tomar suas decisões. "Precisamos esperar a poeira baixar", afirmou à Reuters.
Patamar de R$ 3
Alguns investidores acreditam que a divisa enfrentará dificuldades para se sustentar abaixo desse nível novamente, uma vez que o Banco Central sinalizou que deve diminuir sua interferência no câmbio, rolando apenas parcialmente os swaps cambiais  que vencem em junho pouco após a moeda norte-americana oscilar na casa dos R$ 2,90.
Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de 8,1 mil swaps no leilão de rolagem. Ao todo, a autoridade monetária já rolou o equivalente a US$ 1,968 bilhão, ou cerca de 20%por cento do lote total, que corresponde a US$ 9,656 bilhões.
Fonte: G1.globo.com



Viegas Auditores e Consultores - www.viegasauditores.com.br | Todos os Direitos Reservados © 2017