Carga de impostos subirá para 36% do PIB

A Carga Tributária - total de impostos e contribuições pagos por consumidores e empresas no país - deste ano deverá avançar para o patamar recorde de 36%, ante 34,2% em 2010. A estimativa é do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) e foi calculada a partir do desempenho do Produto Interno Bruto (PIB, conjunto de Bens e Serviços produzidos no país) no terceiro trimestre, e dos números revisados do PIB de 2010, que foram divulgados na semana passada pelo IBGE.

O novo patamar, segundo o IBPT, deve levar a um aumento na arrecadação de impostos maior que o crescimento da economia. Enquanto os recursos que vão para os cofres públicos terão aumento nominal (sem descontar a inflação) de 16,2% este ano, o PIB crescerá nominalmente 11%. Em valores, o total de tributos arrecadados crescerá cerca de R$220 bilhões, para R$1,51 trilhão.

A instituição da nota fiscal e do Sistema Público de Escrituração Digital, que dificulta a sonegação, e o aumento da formalização do emprego contribuíram para o avanço na arrecadação nos últimos anos, afirma Gilberto Amaral, coordenador de estudos do IBPT. O total arrecadado pelo INSS, por exemplo, deve aumentar 17% este ano.

Entre os tributos, o que terá maior crescimento em 2011 é a Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL), de cerca de 29,1%, seguido do Imposto de Importação (II), com 22,8%, e do Imposto de renda (IR), 21%, pelas contas do IBPT:

- As empresas ganharam muito dinheiro em 2010, quando a Economia cresceu 7,5%, mas só recolheram a CSLL este ano. E o salto nas importações empurrou os ganhos do imposto.

Mesmo com a redução do IPI para alguns setores, a arrecadação do tributo deve crescer 19,4% este ano.


Fonte: O Globo



Viegas Auditores e Consultores - www.viegasauditores.com.br | Todos os Direitos Reservados © 2017